A grande importância do farmacêutico na saúde pública

Dentre tantas linhas de frente que o farmacêutico pode atuar, a saúde pública é uma delas, onde englobam 134 especialidades, conforme a Resolução n° 572/2013 do Conselho Federal de Farmácia (CFF).

O grande diferencial da atuação dessa profissão maravilhosa na saúde pública, é a economia que o farmacêutico gera para os custos da atenção a saúde no setor público. A atuação do farmacêutico é fundamental para os serviços públicos de saúde, com uma atenção à saúde de qualidade.

Quando somos atendidos nas farmácias públicas, temos a impressão que o farmacêutico está ali, somente para entregar o remédio, mas não é bem assim. O farmacêutico é responsável por toda o gerenciamento da farmácia, desde a compra até a liberação dos medicamentos.

Além disso, o farmacêutico atua no suporte ao paciente, dando todas as orientações necessárias para que o tratamento seja feito de forma correta, garantindo assim, sucesso no resultado do tratamento. O Ministério da Saúde já reconhece a atuação do farmacêutico, como um dos grandes poderes para promover a saúde e também o gerenciamento do sistema.

Como todo profissional da saúde, o farmacêutico é considerado um educador capacitado na ajuda ao combate do uso indiscriminado de medicamento e automedicação. Na saúde pública, essa aptidão deve ser ainda mais intensa, considerando a diversidade de paciente com os quais terá que lidar.

A lei n° 5.991 de 1973 incluiu o farmacêutico na saúde pública, pois, essa lei exige que o profissional seja responsável técnico pelas farmácias municipais do Brasil. Porém, no SUS, esse serviço só se concretizou anos mais tarde em 2013, o Conselho Federal de Farmácia publicou a resolução n° 578, que regulamenta as atribuições, algumas delas são:

Identificar as necessidades da população em relação à informação em saúde;

Realizar ações de educação em saúde voltada para a comunidade;

Realizar contato com os prescritores com a finalidade de evitar aviamento de receitas que possam prejudicar a saúde do usuário;

Implementar grupos operativos e educativos com objetivo de prevenir e promover a saúde, estimulando a adoção de hábitos saudáveis de vida;

Realizar visitas domiciliares em pacientes nos quais se identifica a necessidade;

Realizar dispensação especializada, orientação e acompanhamento farmacoterapêutico na unidade de saúde visando à promoção da saúde e prevenção de Problemas Relacionados a Medicamentos (PRM), conforme necessidade e condições de execução;

Desenvolver ações e intervenções para redução de erros de medicação;

Participar da elaboração, implantação e acompanhamento de ações em saúde;

Participar de campanhas e eventos relacionados à saúde na comunidade, com orientações em saúde;

Planejar e conduzir, junto a equipe de saúde, grupos de controle do tabagismo;

Portanto, o farmacêutico não é apenas um profissional que fornece o medicamento, ele é quem se preocupa com o paciente, muitas vezes é um amigo confiável da família ou comunidade, orienta e cuida para que sejam utilizadas medicamentos e forma correta, de forma a reduzir os riscos e, ser responsável por toda a gestão da farmácia, desde a aquisição até a dispensação.

FAÇA SEU COMENTÁRIO