Trabalhar com saúde é necessário

Diante de tantos afazeres diários, muitas vezes acabamos negligenciando uma série de fatores que podem causar danos a saúde

Trabalhar com saúde é necessário ‘Entre tantas observações e deveres, é de extrema relevância estimular a realização de exercícios físicos rotineiros e outros hábitos saudáveis’ Diante de tantos afazeres diários, muitas vezes acabamos negligenciando uma série de fatores que podem causar danos a saúde. Por exemplo, muita gente almeja um trabalho melhor, ganhando mais e trabalhando menos, porém não é fácil se sentir realizado na vida profissional.

Acordar cedo, tomar café rapidamente e utilizar o transporte público lotado diariamente ou enfrentar congestionamento para ir ao trabalho é a realidade de muitos cidadãos. Certamente, isso interfere no desenvolvimento das atividades, tanto na vida pessoal quanto na profissional.

Labutar é uma tarefa imprescindível para o desenvolvimento social, mas é preciso prestar atenção sobre a saúde no trabalho, pois caso haja desgaste físico e psicológico da trabalhadora ou trabalhador, irá impactar diretamente em seu bem estar e, consequentemente, no da família.

É importante salientar sobre a existência da Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (PNST), instituída pelo Ministério da Saúde através da Portaria GM/MS n° 1.823/2012, que visa definir os princípios, diretrizes e planejamentos abrangendo às três esferas de gestão do Sistema Único de Saúde (SUS).

No último dia 30, aconteceu na Capital o ‘I Fórum de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora: o SUS de Palmas em defesa do trabalhador’. O evento, foi realizado pela Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS), através do Núcleo de Saúde do Trabalhador, em parceria com a Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (Fesp) e contou com o apoio da Escola Superior da Defensoria Pública.

Automedicação é um fator de risco

De acordo com uma pesquisa do Conselho Federal de Farmácia, por meio do Instituto Datafolha, a automedicação é uma prática comum para 77% da população brasileira. Muitas pessoas ignoram as orientações médicas e de profissionais farmacêuticos.

Além da rotina, esse hábito muitas vezes pode estar relacionado a dores ocasionadas por tensões geradas em ambiente de trabalho e, por medo de se prejudicar ou perder o emprego, muitas pessoas se automedicam na tentativa de driblar dores e incômodos. É necessário que haja orientação de profissionais capacitados para o uso de medicamentos, caso contrário, a automedicação pode causar danos irreversíveis à saúde.

Como melhorar a saúde do trabalhador?

Entre tantas observações e deveres, é de extrema relevância estimular a realização de exercícios físicos rotineiros, fiscalizar e reforçar a utilização de equipamentos de segurança necessários, trabalhar na construção de um ambiente de trabalho saudável e priorizar a realização de campanhas de prevenção e vacinação direcionada aos colaboradores.

Doenças relacionadas ao trabalho

Dermatite alérgica de contato: é uma reação inflamatória caracterizada por uma série de alterações na mucosa e pele do indivíduo. O desenvolvimento da dermatite está relacionado à exposição a substâncias durante a execução das atribuições do labor, podendo causar alergia ou irritação.

LER (Lesão por Esforço Repetitivo): colaboradores que desenvolvem funções contínuas em frente ao computador, tal como jornalistas e publicitários ou atendente em caixa de supermercado tem a predisposição em adquirir inflamação nos tendões, mais conhecida por tendinite.

Sofrimento psíquico relacionado ao trabalho (doenças psicossociais): pode estar atrelado a fatores como depressão, ansiedade, estresse, desentendimentos, carga horária excessiva, assédio moral, entre outros.

Surdez definitiva ou temporária: esse acometimento é mais comum em colaboradores que atuam em áreas como telemarketing e construção cívil. Quando o indivíduo fica exposto constantemente a ruídos sonoros intensos corre grande risco de perder a sensibilidade auditiva. A depender da frequência com que isso ocorre, o dano pode ser irreversível..

Marttha Franco Ramos, Secretária Executiva de Saúde de Palmas e Conselheira Federal de Farmácia

FAÇA SEU COMENTÁRIO