Família paga fiança de R$ 1 milhão e Franklin Douglas já está em casa

Advogados conseguiram decisão após concordar em colaborar com a Justiça. Passaporte de Frankiin foi entregue e ele não pode se ausentar por mais de 10 dias de seu domicílio sem autorização judicial

Foi solto na noite desta segunda-feira, 13, o empresário tocantinense Franklin Douglas, que estava preso desde o dia 06 de novembro em Palmas. A família pagou a fiança de R$ 1 milhão determinada pela Justiça Federal e entregou o passaporte de Franklin. Ele também não poderá se ausentar de seu domicílio por mais de 10 dias sem autorização judicial. (continua abaixo)

Franklin Douglas Alves Lemes, foi preso na Operação Replicantes por suspeita de irregularidades no recebimento de R$ 38 milhões em contratos com o Governo do Estado, acusado de fraude em licitação, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A defesa

Em entrevista exclusiva à Folha Capital, o advogado Daniel Gerber, responsável pelo pedido de soltura de Franklin afirmou que a soltura de Franklin é fruto da estratégia de colaborar com a justiça a partir dos fatos que estão materializados no processo. “Nós decidimos não litigar, mas colaborar. Deixando claro que não se trata de colaboração premiada. Fizemos uma defesa limpa e tranquila, dentro dos limites das provas, sem ficar buscando nulidades”, afirmou Gerber.

Daniel Gerber: diálogo franco com o judiciário e quebra de paradigmas

No pedido de liberdade impetrado por Gerber e seu colega Eduardo Alexandre de Queiroz Barcelos e Guimarães, a defesa admite que as empresas envolvidas no processo pertencem a Franklin e que ele é imputável, ou seja, pode responder pelos seus atos. “Neste diapasão, onde assume parte dos fatos (ainda que vá discutir sua tipicidade ou atipicidade) e deixa claro absolutamente imputável, não há motivos para deixá-lo sob concreto risco à sua vida e sanidade”, afirma a defesa, que demonstrou nos autos que Franklin sofre de depressão e tem seu estado de saúde agravado enquanto permanece preso.

O advogado Eduardo Alexandre é co-responsável pelo pela petição que culminou com a liberdade provisória de Franklin Douglas 

O advogado disse que a maior dificuldade foi entender o processo que envolve toda a situação e lutar contra o preconceito de que advogados, juízes e ministério público não podem conversar entre si. “Tivemos um diálogo franco e institucional com a Justiça e demonstramos através de fatos que a liberdade de Franklin não coloca em risco o transcorrer do processo, para isso tivemos que quebrar paradigmas e preconceitos, tanto das partes quanto de outros colegas que preferem a litigância. A Justiça não admite mais chicana”, Afirmou o advogado.

Sobre o pagamento da fiança o advogado disse que a família já está se mobilizando para levantar o montante e fazer o pagamento da fiança para a soltura de Franklin Douglas.

FAÇA SEU COMENTÁRIO