Polícia realiza operação contra condenados que ameaçavam juízes criminais em Palmas

Armas e drogas foram apreendidas durante a operação da Polícia Civil contra os suspeitos

A Polícia Civil do Tocantins, por meio da 1ª Divisão Especializada na Repressão ao Crime Organizado – DEIC PALMAS, deflagrou na manhã desta segunda-feira, 3, em Palmas e sete cidades do interior do Estado, além de Campo Grande no Mato Grosso do Sul, a Operação Praetorium Minati. O objetivo da operação é coibir a atuação criminosa de uma facção de renome nacional que teria, inclusive, ameaçado magistrados da Vara Criminal da Capital.

No Tocantins, a operação acontece simultaneamente nas cidades de Palmas, Paraíso, Guaraí, Tocantinópolis, Colinas, Oliveira de Fátima, Arraias e Nova Rosalândia e Campo Grande, no Matro Grosso do Sul. Em Palmas, a ação abrange inclusive o distrito de Taquaruçu. Estão sendo cumpridos 29 mandados de prisão e outros 29 mandados de busca e apreensão. Um dos mandados de prisão está sendo cumprido no Presídio Masculino de Campo Grande – MS.

Cartas

Segundo o delegado Eduardo de Menezes, responsável pela operação, no dia 16 de janeiro de 2018, foi redigida uma carta escrita à mão, que teria sido, segundo o seu autor, transcrita (passado a limpo) conforme o próprio autor, dois dias depois. O documento foi encontrado no Pavilhão B da Casa de Prisão Provisória de Palmas em 18 de janeiro daquele ano. “O conteúdo do texto ora profere citações bíblicas com teor distorcido, ora ressalta que o autor precisa sair da unidade prisional a fim de que faça, segundo suas palavras, uma ‘união’ entre as facções”, explica o Delegado.
 
O Delegado relata que no texto manuscrito há uma ameaça a um magistrado da Capital. “Chamou a atenção uma ameaça clara a um dos magistrados. Isso está visível no texto, como também em alguns diálogos decorrentes de gravações autorizadas pela Justiça. Em um dos trechos do bilhete, o autor escreve que, caso seja mantido enclausurado, o magistrado ‘queimaria no fogo do inferno’”, afirmou o delegado.

Ainda segundo o delegado, em outro escrito apreendido, a morte de um Juiz de Direito também surge como um objetivo da facção. “No ponto, destaco que o criminoso responsável pela confecção do bilhete deixa claro aos seus destinatários que um adolescente de outro Estado da Federação seria recrutado para execução do ‘serviço’”, explica o Delegado ao ressaltar que no bilhete fica expressa a intenção de que a morte do magistrado traria respeito à organização criminosa.

O delegado Eduardo Menezes informa que o bilhete sobre o possível ataque ao magistrado, de teor de enfretamento ainda mais aguçado, foi detectado a partir do encontro de diversas anotações também em uma das celas do Pavilhão B da Casa de Prisão Provisória de Palmas, “fruto do trabalho cotidiano dos agentes penitenciários, consistente em incursões nas áreas de custódia dos reeducandos”, ressaltou.

Organização

Para o delegado, todas as 29 pessoas com mandados de prisão preventiva estão interligadas e fazem parte de uma facção criminosa de renome nacional em atuação em todas as regiões do Tocantins. Conforme Eduardo de Menezes, cada uma delas possui uma espécie de registro com número e apelidos ou alcunha, caracterizando-as como componente da facção criminosa, mas que dificulta a identificação pessoal. “ Em alguns casos, o “registro” do faccionado é inclusive alterado para dificultar a sua identificação”, aponta.

Ainda segundo o delegado, conforme áudios autorizados pela Justiça, membros da facção apontam cerca de 500 pessoas no Estado em atuação na organização criminosa.

Atuação

Durante a investigação foi identificado que existem mais de 500 integrantes da facção em atuação pelo Tocantins. “O grupo é tão organizado que chega a fazer teleconferências entre os integrantes. Em um dos diálogos identificados, os suspeitos falam em comercialização de drogas na Praia da Graciosa. E em outro, falam da comercialização de cocaína pura, esta com maior valor aquisitivo na comercialização”, afirmou.

Derivada do Latim, Praetorium Minati faz alusão à ameaça ao judiciário, responsável pela condenação de suspeitos indiciados por tráfico de drogas, associação criminosa entre outros. Participam da operação cerca de 150 policiais civis, contando com o apoio da Diretoria de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado – DRACCO, Divisões Especializadas de Repressão a Narcóticos – DENARC, Divisões de Homicídio e Proteção à Pessoa - DHPP , Delegacias Circunscricionais, do Grupo de Operações Táticas Especiais – GOTE e do Centro Integrado de Operações Especiais – CIOPAER.

FAÇA SEU COMENTÁRIO