Prefeita reafirma necessidade de fechamento e pede colaboração da população

Cinthia Ribeiro concedeu entrevista coletiva online nesta quinta-feira após publicação que fecha atividades não essenciais a partir de sábado - Foto: Reprodução

A prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB), concedeu entrevista coletiva nesta quinta-feira, 04, após a publicação do decreto que determina fechamento do comercio não essencial entre os dias 06 e 16 deste mês, como shoppings, bares e restaurantes, entre outros, devido ao aumento de infecções pelo novo coronavírus. (continua abaixo)

Dados de quarta-feira, 03, da secretaria da saúde de Palmas mostram que quase 90% das UTI's e dos leitos clínicos da capital estão ocupados, e a tendência é que o cenário fique ainda pior devido à taxa de contágio de 1,83, que significa que a cada 100 pessoas com o coronavírus, outras 183 são contaminadas.

"Aqueles que puderem fiquem em casa. O próximo passo seria apenas o lockdown total e não queremos chegar a esse ponto. Só vamos conseguir se cada um fizer o seu papel", pediu a prefeita.

Vacinação

Quando à vacinação Cinthia comemorou a segunda dose que está sendo aplicada em idosos nesta quinta-feira e disse que vai avançar conforme a chegada de mais doses. Ela afirmou ainda que os municípios já estão se organizando em um consórcio para a compra dos imunizantes, mas que a compra direta só vai ocorrer caso o governo federal se omita na disponibilização das vacinas.

Sem citar nomes a prefeita culpou o negacionismo por parte de autoridades como o principal fator para o baixo índice de vacinados. "Infelizmente algumas autoridades insistiram e ainda insistem em negar a gravidade da doença e isso atrasou muito o combate à doença. Esperamos que com a compra de mais doses de vacinas e de diversos laboratórios a imunização possa avançar a passos largos e a população fique segura para cada vez mais voltar à sua rotina.

Escolas

Questionada sobre as escolas Cinthia disse que sete escolas particulares fecharam antes mesmo da publicação do decreto determinando o fechamento devido ao contágio de alunos e professores e que no caso das escolas públicas as aulas presenciais só devem ser retomadas após a vacinação dos professores.

Casos e mortes

Palmas tem 213 pessoas internadas, sendo 149 delas da capital e outras 64 de outras cidades. O número de mortos é de 272 pessoas desde o início da pandemia em março do ano passado.

FAÇA SEU COMENTÁRIO