Duas empresas vencem licitação de R$ 33,3 milhões na Sesau

Segundo a Sesau falta apenas a conferência de documentos fornecidos pela empresas de lavanderia para que as vencedoras sejam declaradas. Litucera ficou de fora

Márcio Rocha

A Secretaria Estadual da Saúde realizou o pregão eletrônico nº 001/2017 em abril deste ano para selecionar empresas para a prestação de serviços de lavanderia nos 23 estabelecimentos de saúde.

Estão previstos os serviços de processamento, higienização com locação e fornecimento de enxoval devidamente processado, higienicamente limpo, livre da quantidade de micro-organismos patogênicos que possam causar doença humana, com gestão completa da rouparia nas unidades hospitalares do Estado.

As unidades hospitalares foram divididas em quatro lotes, dos quais os lotes 1, com cinco hospitais na região Norte do Estado e 4, com oito hospitais na região centro sul do Tocantins, foram vencidos pela empresa Lavabras Gestão de Têxteis S.A. de Santana do Parnaíba-SP, que ofertou o menor preço unitário, no importe de R$ 5,50 para cada um dos 1.560.240 quilos de produtos, totalizando até R$ 8,6 milhões anuais e R$ 8,10 para cada um dos 1.115.280 quilos de produtos, totalizando até R$ 9 milhões anuais, respectivamente.

Já os lotes 2 e 3 foram vencidos pela empresa BR Sistema & Serviços Especiais de Lavanderia Hospitalar, de Aparecida de Goiânia-GO, com os lances de R$ 5,96 para cada um dos 1.638.720 quilos, estimando o total anual em até R$ 9,7 milhões para o lote 2, incluindo quatro unidades hospitalares de Palmas e R$ 5,37 para cada um dos 1.116.000 quilos do lote 3, com sete unidades, totalizando até R$ 6 milhões anuais.

Segundo a superintendente da central licitação da secretaria estadual da Saúde, Kássia Pinheiro, a diferença entre o serviços que era prestado anteriormente pela empresa Litucera, com média de consumo mensal 253 toneladas nas 19 unidades hospitalares (sendo que o Hospital de Doenças Tropicais de Araguaína foi encampado pela Universidade Federal do Tocantins e deixou de fazer parte das unidades estaduais) para 452,8 toneladas deve-se a uma previsão de aumento na quantidade de material a ser higienizado, em decorrência das obras de reforma e ampliação por que passam alguns hospitais.

"A licitação para uma quantidade maior de material não significa que iremos utilizar todo o valor do contrato, o pagamento será realizado por demanda, que em média o valor do kilograma de roupa lavada caiu de R$ 6,30 para R$ 6,25 por quilo", afirma Kássia Pinheiro.

Expansão
A superintendente afirma que o aumento da quantidade (79% maior) do serviço (material) licitado diz respeito a previsão de expansão da rede hospitalar do Tocantins nos próximos cinco anos.

Segundo o subsecretário estadual da Saúde, Marcus Senna, o processo licitatório agora está em fase de análise das propostas/planilha de custos e documentação de habilitação na área técnica da pasta e caso parecer seja favorável iremos dá continuidade ao certame e a licitação será homologada.

FAÇA SEU COMENTÁRIO