Justiça vai realizar audiência sobre radioterapia em Araguaína nesta quinta-feira

Justiça já foi induzida ao erro uma vez em Araguaína. O medo é que a história se repita, mas dessa vez com o equipamento público que custa cerca de R$ 3 milhões.

Está marcada para às 13h30 uma audiência pública sobre a radioterapia na cidade de Araguaína, que pode definir os rumos do serviço que atende todo o Tocantins e muitos pacientes de outros estados, como Pará e Maranhão. O evento, que é aberto ao público vai ocorrer no auditório da 2ª Vara da Fazenda.

A audiência foi marcada pela juíza Milene Henrique, depois que ela decidiu de ofício e monocraticamente que o Governo do Estado não iniciasse a operação do serviço, que estava marcada para o dia 18 de junho.

Segundo fontes da Secretaria Estadual da Saúde, a equipe estranhou a decisão da magistrada, pois já estava tudo pronto para que as operações começassem. “A decisão da juíza pegou todos de surpresa”.

Temor

Segundo esta mesma fonte o temor da equipe é que ocorra novamente o que aconteceu em 2015, quando induzida ao erro por pessoas com interesses escusos, a Justiça, alinhada com o Ministério Público Estadual e a Defensoria Pública Estadual, determinou que uma empresa prestasse o serviço terceirizado. Mas reportagens exclusivas da Folha Capital descobriram inúmeras irregularidades, inclusive com a máquina de radioterapia, que não era certificada pelos órgãos de controle e não se sabia se estava curando ou ajudando a matar os pacientes.

A nossa reportagem descobriu ainda que enquanto a Justiça determinava a terceirização dos serviços, duas máquinas de radioterapia haviam sido entregues para o Estado pelo Governo Federal e uma delas estava encaixotada nos porões do Hospital Regional de Araguaína. Após essa revelação o porão foi inundado por um suposto vazamento. Coincidência ou não, as caixas estavam seladas e a máquina não foi atingida pela água, o que permitiu a sua instalação no HRA depois de todos esses anos, enquanto o serviço estava suspenso.

“A Secretaria Estadual da Saúde, através da Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia do Hospital Regional de Araguaína (Unacon) tem equipamento, insumos e material humano suficientes para prestar um serviço de qualidade e excelência. Uma nova empresa aqui, seja ela qual for, só vai nos atrapalhar, como já aconteceu tantas vezes no passado, em Araguaína e outras cidades do Tocantins”, revelou um profissional da Unacon Araguaína que prefere não ter o seu nome revelado.

FAÇA SEU COMENTÁRIO