Foragido da Justiça do Distrito Federal é preso pela Polícia Civil no Norte do Estado

De acordo com o delegado, o indivíduo já vivia no Estado do Tocantins, usando documentos falsos

Após intenso trabalho investigativo, policiais civis da Divisão Especializada em Narcóticos (DENARC), de Araguaína, comandados pelo delegado Alexander Pereira da Costa, capturaram, no final da tarde desta quinta-feira (15), no município de Wanderlândia, um indivíduo de iniciais H.F.P.S, de 26 anos. Ele é foragido da Justiça do Distrito Federal, onde tem condenação pelo crime de roubo, além de possuir extensa ficha criminal, tendo praticado, quando adolescente, vários atos infracionais análogos a diversos crimes, inclusive homicídio, sendo, por isso, considerado de alta periculosidade.

De acordo com o delegado, o indivíduo já vivia no Estado do Tocantins, usando documentos falsos, e, ao ser abordado, apresentou tais documentos aos policiais civis, na tentativa de se passar por outra pessoa e, assim, enganar os agentes. A partir da troca de informações com órgãos de segurança de outros estados foi possível levantar a verdadeira identidade do indivíduo e ter ciência da extensa lista de crimes por ele cometidos.

“Trata-se de um elemento muito perigoso, que possui várias passagens criminais por atos infracionais análogos a roubo, receptação e homicídio, na época em era adolescente, e, já quando adulto, cumpria pena por roubo em regime semiaberto, mas fugiu para o Estado do Tocantins, onde levava uma vida aparentemente normal, com documentos falsos”, disse o delegado.

Diante das evidências, o indivíduo foi conduzido até à Central de Atendimento da Polícia Civil, em Araguaína, onde foi autuado em flagrante por uso de documento falso. As investigações a respeito do fato terão continuidade, pois há fortes indícios de que o homem estaria envolvido com o tráfico de drogas em Wanderlândia. Após a realização dos procedimentos legais cabíveis, H.P.F.S foi recolhido à Casa de Prisão Provisória de Araguaína (CPPA), onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

FAÇA SEU COMENTÁRIO