PALMAS

AGRONEGÓCIO

Ruraltins incentiva a propagação vegetativa de plantas por meio da alporquia

Publicado em

AGRONEGÓCIO


Apresentar alternativas produtivas  para o homem do campo, visando o aumento da produtividade, economia e a geração de renda, é uma das diversas ações desenvolvidas pelo Governo do Tocantins, por meio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins).

Em Araguaina, na região norte do Estado, produtores rurais assistidos pelo órgão, via convênio Oportunidade firmado com o Ministério da Agricultura, são incentivados a adotar práticas simples de propagação vegetativa. Uma delas é a alporquia, técnica que utiliza parte da planta para multiplicação de mudas preservando as características idênticas da planta-mãe. 

O responsável por essa propagação é o extensionista Wandro Cruz, do escritório local do Ruraltins de Araguaina. “A alporquia vem ganhando espaço na agricultura familiar pela facilidade que a prática tem em propagar mudas por meio de uma planta adulta. O método  consiste em enraizarmos um ramo quando ele ainda está preso a planta. Onde fazemos um pequeno corte no ramo, colocamos terra preparada e úmida, e a envolvemos dentro de uma bolha plástica. Com essa técnica as raízes se formam e a gente consegue multiplicar a planta desejada com suas características preservadas”, explica o extensionista.

Leia Também:  Governo abre oficialmente colheita de grãos e comemora estimativa recorde para safra

Segundo ainda Wandro Cruz, a alporquia apresenta  outras vantagens, como por exemplo a antecipação do período de produção da espécie clonada. 

“É um método muito seguro, pois oferece mais de 90% de pegamento das mudas, e após 40 dias do inicio,  a muda já está enraizando e você pode plantá-la no saquinho preto, e após alguns meses no local definitivo. É um método mais fácil que o da enxertia e pode ser aplicado em quase todas as espécies, desde que estas tenham galhos. Essa precocidade traz uma planta de baixo porte, que proporciona você colher com maior rapidez, por exemplo manga e laranja com a mão, pois a planta consegue produzir baixinha, mantendo todas as características da planta-mãe, o que não acontece quando realizamos plantios por sementes, que muitas vezes não tem nada daquilo que vemos na planta-mãe”, finaliza. 

O método consiste no enraizamento de um ramo quando ele ainda está preso a planta, por meio de pequeno corte no galho, envolvendo-o com terra preparada dentro de uma bolha plástica – Ruraltins

A muda enraizada pode ser plantada no saquinho preto, e após alguns meses no local definitivo. – Ruraltins

O método oferece mais de 90% de pegamento das mudas – Ruraltins

Extensionista Wandro Cruz, do escritório local do Ruraltins em Araguaina – Ruraltins

Por meio da alporqueia as raízes se formam e se consegue multiplicar a planta desejada com suas características preservadas – Ruraltins

Leia Também:  Seagro inicia consultoria para diagnóstico da cadeia de ovinocaprinocultura

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

AGRONEGÓCIO

Seagro vistoria áreas de lavouras alagadas pelas chuvas

Publicados

em

O titular da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Aquicultura, Jaime Café, vistoriou neste fim de semana, sábado, 15, e domingo, 16, lavouras que foram alagadas pelas fortes chuvas que se intensificaram nas regiões do Bico do Papagaio e sudeste do Estado. Com o excesso de chuvas, pequenos, médios e grandes produtores já perderam parte de suas lavouras, outros estão com animais ilhados e com as vias de escoamento da produção comprometidas.

“Além de prejudicar o ritmo dos trabalhos no campo, as intensas chuvas estão acarretando prejuízos para a agricultura e a pecuária”, afirmou o secretário após percorrer lavouras, assentamentos, fazendas e estradas vicinais nos municípios de Lagoa da Confusão, Esperantina, São Sebastião, entre outros.

Na oportunidade, o secretário pontuou as ações que o Governo do Tocantins, via Seagro e Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto), está colocando em prática. “Estamos na linha de frente e atendendo os agricultores atingidos de várias formas, seja com combustível, distribuindo cestas básicas e até auxiliando no transporte de animais ilhados”, destacou Jaime Café, descrevendo cenários de muito prejuízo. “Na Lagoa da Confusão, por exemplo, mais de 15 mil hectares de lavoura de feijão estão submersas e se perderam. Plantações de arroz também estão alagadas”, informou.

Leia Também:  VLI patrocina Rally da Safra 2020

Agricultura familiar 

Pequenos agricultores da região do Bico do Papagaio e que foram beneficiados com sementes do programa Mesa Farta, do Governo do Tocantins, também contabilizam prejuízos, pois perderam suas lavouras. “É uma situação preocupante. Além das plantações perdidas, muitos agricultores estão com gado ilhado e sem alimento. A solução tem sido transportar bois e vacas de barco”, detalhou Jaime Café, adiantando que o Governo do Estado já estuda uma forma de socorrer esses pequenos agricultores com auxílio financeiro, além de mais sementes para  novas lavouras.

Quanto à melhoria e à recuperação de estradas para escoamento da produção, o secretário destacou o trabalho da Ageto no atendimento às demandas. “Temos um levantamento de todos os acessos que ainda estão submersos ou que precisam de reparos. Vamos trabalhando em parceria e estamos todos juntos, dando todo um suporte necessário e possível para o setor do agro. A solidariedade entre os agricultores também é gigante e tem feito a diferença”, finalizou Jaime Café.

Lavoura de arroz embaixo da água em Lagoa da Confusão – Governo do Tocantins

Leia Também:  Expositores aguardam com expectativas positivas a 3ª edição da Pecshow 2021

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

POLÍCIA

MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA