PALMAS

CIDADES

Secretário retorna gabinete itinerante ao HGP

Pela terceira vez, o gabinete itinerante retorna ao HGP para solucionar problemas com mais agilidade, garantindo, assim, a melhoria do atendimento aos pacientes.

Publicado em

CIDADES

Pela terceira vez, o secretário de Estado da Saúde, Marcos Musafir, retornou com o  gabinete itinerante  para dentro do Hospital Geral de Palmas (HGP). Composto por técnicos de áreas estratégicas da Secretaria de Estado da Saúde, o gabinete atua para solucionar problemas com mais agilidade, garantindo, assim, a melhoria do atendimento aos pacientes.

 

Na unidade, o secretário, técnicos e diretoria do HGP percorreram corredores, anexo provisório, Unidade de Terapia Intensiva (UTI), pronto socorro, sala vermelha, sala de acolhimento, centro cirúrgico, almoxarifado, farmácia e outros, além de ver de perto como estava o andamento das obra de reforma e ampliação do hospital.  

 

O HGP, maior hospital público do Estado, está com grande demanda de pacientes oriundos do interior do Tocantins e de estados vizinhos. “O hospital está cheio, mas o que nós percebemos também é a dedicação das equipes que se desdobram para oferecer o melhor. Vemos que há demora em alguns procedimentos, como o caso das cirurgias, e por isso a governança do HGP definiu que serão duas salas para  ortopedia,  o que vai possibilitar dobrar o número  de cirurgias ortopédicas de urgência”, disse o secretário.

Leia Também:  Formação de brigadistas de incêndio é iniciada em Araguaína

 

Musafir ainda reforçou a importância do controle mais rigoroso no almoxarifado e farmácia. “Percebemos que os insumos estão bem organizados e é muito importante que se mantenha esse controle. No  anexo provisório, os médicos estão visitando  os pacientes e com o andamento das obras  vamos conseguir dar uma resposta a população”, ressaltou. 

 

Durante a visita na sala vermelha, a equipe da Saúde observou a rotatividade dos leitos e conversou com os profissionais que atuam no setor.

 

Para a diretora geral, Renata Duran,   o gabinete itinerante, mais uma vez, fortalece a gestão do HGP. ” É muito importante a participação do gabinete na gestão da unidade. A  grande demanda de pacientes é o reflexo  da resolutividade  do HGP,  pois  existe uma equipe de profissionais comprometidos.  Estamos todos juntos para conseguir encontrar o melhor caminho e oferecer um melhor “, disse.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CIDADES

TCE determina suspensão de licitação de R$ 2,5 milhões

Publicados

em

O certame foi realizado no dia 6 de abril de 2021, no entanto, só foi cadastrado no sistema do TCE, no dia 22 de junho de 2021

Após a Coordenadoria de Análise de Atos, Contratos e Fiscalização de Obras e Serviços de Engenharia (Caeng) do Tribunal de Contas do Tocantins (TCE/TO) identificar indícios de irregularidades no Pregão Presencial n° 07/2021, da prefeitura de Marianópolis do Tocantins, no valor de R$ 2.543.201,63, o conselheiro Alberto Sevilha, titular da Sexta Relatoria da Corte, determinou a suspensão liminar de todos os atos decorrentes do processo nº 328/2021, dentre eles, que os responsáveis não realizem quaisquer pagamentos ou assinem contratos. A licitação tem como objetivo a aquisição de materiais de construção, hidráulicos, elétricos e ferramentas.

Por meio de Análise Preliminar de Acompanhamento, a Caeng identificou algumas impropriedades, entre elas, que o certame foi realizado no dia 6 de abril de 2021, no entanto, só foi cadastrado no Sistema Integrado de Controle e Auditoria Pública, módulo Licitações, Contratos e Obras (Sicap/LCO) do TCE, no dia 22 de junho de 2021, ou seja, 91 dias após da publicação do aviso licitatório (23 de março de 2021). Os responsáveis não alimentaram corretamente o Sicap/LCO. O sistema tem que ser alimentado em tempo real conforme o andamento de cada fase do processo.

Leia Também:  Porto Nacional vai atender suspeitos de Covid-19 através de teleconsulta

Os técnicos apontaram também que não há descrição dos locais e tampouco dos projetos de engenharia onde os materiais em questão serão aplicados, com seus respectivos quantitativos. Esses dados são necessários para justificar a quantidade dos materiais. Com relação a demonstração de como se obteve os quantitativos constantes do termo de referência, não foram encontradas justificativas técnicas que comprovem os números ou quantidades. Segundo a Caeng, a justificativa pressupõe uma análise técnica mínima, que deve ser realizada caso a caso.

A Caeng detectou ainda que o Pregão Presencial Nº07/2021 não apresentou uma Planilha Orçamentaria, e também não foram apresentadas as propostas de valores de mercado das empresas que participaram do levantamento e nem os códigos de referência. Com isso não dá para saber a origem dos valores apresentados no edital e Sicap/LCO. Devido à falta de informações nos documentos, a análise do certame para conclusão da vantagem quanto ao custo/benefício do objeto que se propõe.

Notificação

Antes da emissão da suspensão cautelar, os responsáveis pelo processo licitatório foram notificados pelo Tribunal mais de duas vezes para prestarem esclarecimentos/justificativas sobre os questionamentos apontados pela Caeng, mas não houve respostas.

Leia Também:  Sindiposto emite nota sobre distribuição de combustível na Capital

Mérito

O despacho ainda será analisado para referendo em Sessão Plenária. Como se trata de decisão cautelar, providência adotada em caráter de urgência pelo relator, o mérito será apreciado posteriormente, após os responsáveis exercerem o contraditório e a ampla defesa no prazo regimental de 15 dias úteis.

Você pode conferir o despacho na íntegra acessando o Boletim Oficial nº 2845.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

POLÍCIA

MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA