PALMAS

ECONOMIA

Lista de material escolar tem variação de preços de até 381,82 % em Palmas

O Procon-TO realizou pesquisa de preços de 107 itens que compõem as listas de material escolar nas principais papelarias da Capital.

Publicado em

ECONOMIA

O Procon-TO realizou pesquisa de preços de 107 itens que compõem as listas de material escolar nas principais papelarias de Palmas e encontrou uma variação de preços de até 381,82% entre um estabelecimento e outro. A maior diferença de preços é do caderno de desenho capa dura com 96 folhas, da marca Faroni, vendido entre R$ 3,30 e R$ 15,90 (381,82% de diferença).  Em segundo lugar, a pintura a dedo de 15 ml (cores variadas) da marca Aplicor, com preço entre R$ 2,99 e R$ 11,92 (variação de 298,66%). O terceiro item com maior variação é a régua plástica de 30 cm, da marca Waleu, vendida entre R$ 0,50 e R$ 1,80 (260,00% de variação). A pesquisa foi realizada entre os dias 5 e 9 deste mês e está disponível no site do Procon-TO (www.procon.to.gov.br).

 

De acordo com o superintendente do Procon-TO, Nelito Cavalcante, a pesquisa de preços é um importante instrumento de auxílio ao consumidor, que não dispõe de tempo para visitar muitos estabelecimentos e por isso acaba pagando mais caro pelos materiais escolares. “A pesquisa de preço é o principal aliado do consumidor, pois quando compra no estabelecimento que pratica o preço mais justo, acaba por induzir os outros a baixarem seus preços também”, orienta.

Leia Também:  Mês de janeiro tem alta de mais de 15% nas vendas em Palmas

 

O superintendente explica também que muitas vezes o consumidor acaba pagando mais caro por considerar o item barato. “Por exemplo: a régua de 30 cm custa R$ 1,80 no estabelecimento mais caro. É barato e o consumidor pode pagar por isso e acaba não procurando um preço menor. Mas, noutro estabelecimento, a mesma régua custa R$ 0,50, ou seja, uma diferença de 260%. Por isso, nós sugerimos que busquem o menor preço, independente do valor do item”, reforça.

 

Entre os produtos pesquisados estão canetas hidrográficas, apontadores, borrachas, cadernos, colas em bastão e líquida, giz de cera, lápis preto e lapiseiras, marca texto, massas de modelar, réguas, tesouras, corretivos, papel, pincel e tinta. O gerente de fiscalização do Procon-TO, Magno Silva, responsável pela pesquisa, informou que o principal objetivo desse trabalho é fornecer ao consumidor uma amostra das diferenças de preços que ele pode encontrar no mercado de material escolar, chamando a atenção para a necessidade da comparação antes da compra. “Além de pesquisar preço, o consumidor deve negociar descontos e prazos para pagamento”, reforçou.  

Leia Também:  Confiança do empresariado palmense cai pelo segundo mês consecutivo e já preocupa

 

O gerente deu dicas que considera importantes para que o consumidor não gaste mais do que o necessário com material escolar dos filhos. “Verificar os produtos que já tem em casa e que podem ser reutilizados; comprar em conjunto para conseguir maiores descontos; evitar comprar os itens “da moda”, que costumam ser mais caros, são algumas ações que o consumidor pode fazer para tornar a lista de material menos onerosa no orçamento doméstico”, reforçou Magno Silva. A pesquisa completa pode ser encontrada no link: https://central3.to.gov.br/arquivo/323304/

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Pisoni participa de lançamento de programa voltado ao setor empresarial

Publicados

em

O presidente do Sistema Fecomércio Tocantins, Itelvino Pisoni, participou ontem pela manhã, 18 de janeiro, do lançamento do Programa de Impulsionamento da Indústria, Comércio e Serviços (PICS). O evento aconteceu em Porto Nacional e contou com a presença de diversas autoridades, dentre elas o Governador em exercício, Wanderlei Barbosa. O Programa visa melhorar o ambiente empresarial do estado e a infraestrutura dos parques e distritos industriais do Estado. A estimativa de investimentos é de R$ 110 milhões.

O governador Wanderlei Barbosa salientou que a sua proposta de desenvolvimento do Estado passa necessariamente pela infraestrutura dos parques industriais. “Não temos como atrair investidores se não tivermos um ambiente propício para as empresas. Daí a importância desse programa que estamos lançando hoje. É um projeto de longo prazo, que vai permitir estruturar, ampliar e implantar os parques industriais para atrair novos investimentos para o Tocantins, gerar empregos, renda para o povo e divisas para o Estado”, ressaltou.

O secretário de Estado da Infraestrutura, Jairo Mariano, explicou que o programa constitui uma parceria entre as pastas da Infraestrutura e da Indústria, Comércio e Serviços (Sics) que vai permitir acelerar o processo de desenvolvimento econômico com a instalação e a ampliação dos parques industriais. “Isso certamente vai promover uma nova dinâmica na economia do Estado”, frisou, ressaltando que os projetos para lançamento do edital de licitação de contratação para os serviços de engenharia e construção de infraestrutura do parque de Porto Nacional já estão sendo finalizados.

Leia Também:  Programa 'Nota Quente' vai sortear R$ 11 mil em Palmas neste sábado, dia 21

“Temos que criar condições de atração de novos investimentos, sem esquecer daqueles que já estão implantados no Estado”, afirmou o titular da Indústria Comércio, Carlos Humberto Lima.

(colaboração da Secom/TO)

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

POLÍCIA

MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA