PALMAS

Estado

Em protesto, servidores estaduais em greve bloqueiam vias de acesso a Palmas

Os manifestantes atearam foto em pneus e protestaram segurando faixas e cartazes cobrando o pagamento da data-base.

Publicado em

Um protesto organizado pelos servidos públicos estaduais do Poder Executivo que aderiram à greve geral bloqueoou as principais vias de acesso à cidade de Palmas, logo no início da manhã desta quarta-feira, 31. O bloqueio durou cerca de duas horas e o objetivo foi chamar a atenção da população para a postura do Governo do Estado na negociação da data-base, que tem agido de forma truculenta e inflexível, negando-se a negocias com os servidores e a pagar aquilo que é direito constitucional da categoria.

 

“Foi um bloqueio programado, com hora para iniciar e termina, feito com responsabilidade para chamar a atenção sem prejudicar a população”, esclarceram os presidentes dos movimentos grevistas.

Houve concentração e bloqueio das seguintes vias: 1) Ponte Fernando Henrique Cardoso, saída para Paraíso; 2) Ponte da TO 050, trecho que liga Palmas a Porotno Nacional, próximo à estação de tratamento de água da Saneatins/Odebrecht; 3) Ponte próxima à faculdade ULBRA, na Avenida Teotônio Segurada; 4) TO 010, Saída para Miracema do Tocantins.

Os manifestantes atearam foto em pneus e protestaram segurando faixas e cartazes cobrando o pagamento da data-base. Sete sindicados organizaram o protesto desta quarta-feira: Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (Sisepe-TO); Sindicato dos Trabalhores em Saúde (Sintras-TO); Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sintet-TO); Sindicato dos Cirurgiões Dentistas (Sicideto); Sindicato dos Médios (Simed-TO); Sindicato dos Profissionais de Enfermagem (Seet-TO); Sindicato dos Auditores Fiscais (Sindare-TO). Os sindicatos compõem o Movimento de União dos Servidores Públicos Civis e Militares do Estado do Tocantins (MUSME-TO).

Leia Também:  Governo do estado beneficia famílias da região sul com cestas básicas na pandemia

Os servidores estão em greve desde o último dia 09 e apesar do governo afirmar insistentemente que o canal de negociação está aberto, até o momento, alegam que não houve apresentação de proposta para o pagamento e nem reunião de negociação para buscar soluções para o fim da greve. Segundo os presidentes das entidades classistas, o que tem acontecido é que o Governo tem se reunido de forma isolada com alguns Sindicatos que representam categorias que não aderiram à greve geral e que, segundo o próprio Governo, seriam mais sensíveis à situação financeira e argumentos apresentados pelo Estado.

No último dia 30, os Sindicatos que deflagaram a greve protocolaram ofício ao Governador Marclo Miranda, apresentando uma proposta para o pagamento, que solicita o seguinte: 1) implantar o índice de 9,8307% referente à data-base 2016 – do piso ao teto, de forma integral e na folha de pagamento de setembro de 2016; 2) Pagar os retroativos da data-base 2015, em 04 parcelas mensais e iguais, com inclusão na folha de pagamento de setembro de 2016 até a folha de dezembro de 2016; 3) Pagar os retroativos da data-base 2016, em 04 parcelas mensais e iguais, com inclusão na folha de pagamento de janeiro de 2017 até a folha de abril de 2017.

Leia Também:  Encerra hoje o período de renovação de matrículas na Rede Estadual de Ensino

 

No mesmo documento, os sindicalistas também surgeriram ao Governo três medias que, se adotadas em caráter de urgência, dão condições financeiras para que o Governo cumpra com o direito dos servidores. São elas: 1) Reduzir a jornada de trabalho apra 06 horas corridas, o que tratá economia aproximada de 30% por mês com custeio; 2) Reduzir os cargos comissionados, passando dos atuais 5.188 para 2.594, o que possibilitará a redução de R$ 9,2 milhões para cerga de R$ 3,7 milhões; 3) Reduzir os contratos temporários, passando dos atuais 13.689 para 6.844, o que possibilitará redução de R$ 34 milhões para aproximadamente R$ 17 milhões.

Ainda de acordo com os Sindicatos, somente com a implementação das medidas nº 02 e 03, o Governo economizará mais de R$ 22,4 milhões por mês.
(Com informações dos sindicatos)

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

Estado

Conceição Alves Irmã é empossada vereadora de Palmas

Published

on

A Câmara de Palmas deu posse nesta quarta-feira, 17, à suplente da vaga do Patriota, Maria da Conceição Alves de Melo. Ela substituirá José do Lago Folha Filho, que se licenciou para assumir a Secretaria de Governo e Relações Institucionais da Prefeitura de Palmas.

Em seu discurso, a vereadora agradeceu a todos e falou sobre a linha de trabalho que pretende adotar no período que estiver na Casa de Lei. “Defenderei e apoiarei mulheres, jovens, crianças e adolescentes. Atuarei pela valorização dos servidores públicos, zelando pela garantia dos seus direitos. Irei ainda fortalecer a relação do Legislativo com os representantes de bairros. Assim poderemos desenvolver políticas públicas e sociais”, comentou.

Natural de Porto Nacional, Maria da Conceição é moradora de Palmas desde 1991. Ela tem 58 anos e se define como uma mulher de atitude, trabalhadora, dedicada às causas sociais, que zela pela família, emprego e bem estar de todos. A vereadora angariou 546 votos na eleição de 2020.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Governo abre inscrições para o Prêmio Mérito Ambiental
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA

POLÍCIA

MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA