PALMAS

Estado

Procon notifica Sindicato dos Bancos

Sindicato dos Bancos é notificado por Procon sobre a necessidade de garantir legalmente 30% dos bancários trabalhando.

Publicado em

A Superintendência Estadual de Proteção aos Direitos do Consumidor (ProconTocantins), em função de denúncias recebidas, notificou  nesta terça-feira 13,  o  Sindicato dos Bancários do Tocantins (Sintec-TO), sobre a necessidade de garantir, durante a greve, o efetivo mínimo legalmente assegurado de 30% dos funcionários trabalhando, e caixas eletrônicos disponíveis com dinheiro em espécie para saque, depósito, transferência, pagamentos e envelopes para operações bancárias.

 

Conforme o gerente de Fiscalização do Procon Magno Silva Pinto, o  artigo 12 da Lei Federal 7.783/89 e o decreto federal 2.181/97, avalizam aos consumidores que, nos serviços ou atividades essenciais, os empregadores ficam obrigados a garantir, durante o período constitucional da greve, a prestação dos serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade,  como é o caso da compensação bancária.

 

A notificação do Procon requer também que todas as agências bancárias filiadas ao Sindicato dos Bancos sejam advertidas de que, o não cumprimento acarretará na aplicação imediata de sanções administrativas, cíveis e penais, como multa, interdição e intervenção administrativa, caracterizando crime de desobediência.

Leia Também:  Tocantins tem 253 novos casos de Covid-19 e duas mortes pela doença no estado

 

O superintendente do Procon Nelito Vieira Cavalcante, afiançou a decisão,  justificando: “Estamos devidamente embasados também no Principio da Supremacia do Interesse Público e notificamos o sindicato porque a situação reclamada afeta diretamente toda a sociedade.”

  

O Procon Tocantins, durante todo o período que durar a greve, fará  fiscalizações nas agências bancárias do Estado para verificar se o mínimo de 30% de funcionários trabalhando está sendo cumprido.

 

“É fundamental a participação da sociedade durante este período denunciando o descumprimento da lei por parte dos bancos.”

 

O telefone para denúncia é 151.  

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

Estado

Ação inédita da Serasa oferece negociação de dívidas com parcelamento sem juros, para 1,25 milhão de débitos no Norte

Published

on

Em parceria com 45 empresas, a ação oferece condições especiais, durante todo o mês de agosto

Em função do cenário econômico e o aumento do endividamento das famílias brasileiras, a Serasa se juntou a 45 outras empresas de diversos setores para buscar soluções para auxiliar o consumidor a renegociar suas dívidas. Por meio dessa parceria, o Serasa Limpa Nome irá disponibilizar, durante todo o mês de agosto, mais de 80 milhões de débitos para renegociação, no país, em até 36 vezes sem juros, sendo 1.254.375 na região Norte.

No Pará, estão sendo disponibilizados 565.528. No Amazonas, 300.943; no Tocantins, 107.667; em Rondônia, 93.584; no Amapá, 74.307; no Acre, 72.807; e, em Roraima, 39.539.

As negociações podem ser realizadas pelos canais digitais da Serasa e presencialmente nas mais de 6 mil agências dos Correios distribuídas pelo país. Além das condições especiais de parcelamento, o consumidor pode ainda encontrar os tradicionais descontos de até 90%, sempre oferecidos pelo Serasa Limpa Nome, maior plataforma de renegociação de dívidas do país.

Leia Também:  Governo do Estado mantém abastecimento de oxigênio medicinal durante a pandemia

A ação surgiu depois de a Serasa realizar uma pesquisa que ouviu 2.645 endividados de todo o país. O levantamento mostrou que descontos e parcelamentos sem juros são os maiores motivadores para o consumidor quitar suas dívidas. “É a maior ação de negociação com parcelamento sem juros já realizada no Brasil”, diz Ignacio Dameno, diretor do Serasa Limpa Nome.

Para Aline Maciel, gerente do Serasa Limpa Nome, essa é uma solução buscada pelas empresas para que os brasileiros endividados possam recuperar o poder de compra sem impactar a renda mensal. “Quando um inadimplente renegocia o débito, a dívida sai do seu nome logo após pagar a primeira parcela, o que o auxilia a retomar crédito”, explica Aline. “A ação foi a maneira que as empresas envolvidas encontraram para conter a alta da inadimplência”, complementa.

Empresas participantes: Claro; Ativos; Atlântico; Banco BMG; Banco Digio; Banco Digio; Banco Inter; Banco Losango; Banco Neon; Boticário; Bradescard; Bradesco; Bradesco Financiamentos; BTG +; Carrefour; Crediativos; Credsystem; Digio; DmCard; Eudora; FortBrasil; Grupo Tracker; Havan; Hoepers; Intacto; Ipanema; Itapeva; Itau; MGW Ativos; Money Plus; Multi Crédito; Nalin; Net; Nextel; Recovery; Renner; Riachuelo; Santander; Sascar; Sicoob; Sorocred; Uze; Via Varejo; VoxCred; Zema.

Leia Também:  Durante abertura oficial, presidente da Acipa, Joseph Madeira, celebra retomada da Fenepalmas

A Serasa reforça que as ofertas disponíveis na Ação de Parcelamento não aplicam juros sobre o acordo de parcelamento, mas a dívida negociada pode conter os juros de atraso do pagamento.  As negociações pelas agências dos Correios que oferecem as condições e os descontos especiais da campanha podem ser realizas mediante o pagamento de uma taxa de R$3,60.

O consumidor pode conferir se tem parcelas sem juros disponíveis por meio dos canais oficiais da Serasa: site serasalimpanome.com.br; App Serasa no Google Play e App Store; ligação gratuita 0800 591 1222; e WhatsApp 11 99575–2096.

Sobre a Serasa
Com o propósito de revolucionar o acesso ao crédito no Brasil, a Serasa oferece um ecossistema completo voltado para a melhoria da saúde financeira da população com produtos e serviços digitais.

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA

POLÍCIA

MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA