PALMAS

Estado

Sindicato dos Bancários realiza assembleia nesta quinta e greve deve iniciar no próximo dia 06

Neste ano os bancários reivindicam reajuste salarial de 14,78%, que representa o INPC projetado de 9,31% mais 5% de aumento real.

Publicado em

Sem avanço nas negociações da Campanha Salarial deste ano, o Sindicato dos Bancários do Tocantins (Sintec-TO) realiza assembleia geral nesta quinta-feira, 1º, que vai deliberar sobre a greve da categoria. A greve está prevista para iniciar na próxima terça-feira, 6, em todo Brasil. Neste ano os bancários reivindicam reajuste salarial de 14,78%, que representa o INPC projetado de 9,31% mais 5% de aumento real.

 

Na última segunda-feira, 29, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) apresentou contraproposta de 6,5% de reajuste salarial, abono de R$ 3 mil. Participação nos Lucros e Resultados calculada nos moldes do último Acordo Coletivo de Trabalho (CLT) assinado em 2015.

 

Ainda na assembleia, será deliberado sobre a proposta apresentada pela Fenaban. A assembleia acontece às 18h na sede do Sindicato em Palmas, localizado na quadra 104 Norte, Rua NE 1,1 Nº 40, Plano Diretor Norte.

 

Ontem, 31, o Sintec-TO iniciou a entrega dos kits greves para todo o Estado. Neste ano o kit greve é composto por camisetas, cartazes e faixas. Para o presidente Crispim Batista Filho, os banqueiros mais uma vez não atendem as reivindicações da categoria.

Leia Também:  Marcelo Miranda se reúne com governadores do Brasil Central para aprovar ações para 2018

 

“É lamentável a maneira que os donos dos bancos nos tratam. Infelizmente tudo indica que estamos caminhando para mais greve porque nossas reinvindicações não foram atendidas, ficaram bem abaixo do esperado. Lutamos por salários dignos, segurança, saúde, redução de filas entre outros”, destaca Crispim.

 

Entrega das pautas

No último dia 9, dirigentes sindicais integrantes da Comissão Bancária Nacional de Negociações (CBNN/Contec) entregaram à Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil a minuta nacional de reivindicações dos bancários da rede privada e as específicas dos bancos públicos. E no dia 18, foi entregue a pauta do Banco da Amazônia.

Outras reivindicações

 

Os bancários ainda reivindicam auxílio alimentação, participação nos Lucros ou Resultados (PLR) equivalente a 15% do lucro líquido do exercício de 2016, mais saúde e segurança, combate ao assédio moral, isonomia nos bancos públicos dentre outras.

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

Estado

Ação inédita da Serasa oferece negociação de dívidas com parcelamento sem juros, para 1,25 milhão de débitos no Norte

Published

on

Em parceria com 45 empresas, a ação oferece condições especiais, durante todo o mês de agosto

Em função do cenário econômico e o aumento do endividamento das famílias brasileiras, a Serasa se juntou a 45 outras empresas de diversos setores para buscar soluções para auxiliar o consumidor a renegociar suas dívidas. Por meio dessa parceria, o Serasa Limpa Nome irá disponibilizar, durante todo o mês de agosto, mais de 80 milhões de débitos para renegociação, no país, em até 36 vezes sem juros, sendo 1.254.375 na região Norte.

No Pará, estão sendo disponibilizados 565.528. No Amazonas, 300.943; no Tocantins, 107.667; em Rondônia, 93.584; no Amapá, 74.307; no Acre, 72.807; e, em Roraima, 39.539.

As negociações podem ser realizadas pelos canais digitais da Serasa e presencialmente nas mais de 6 mil agências dos Correios distribuídas pelo país. Além das condições especiais de parcelamento, o consumidor pode ainda encontrar os tradicionais descontos de até 90%, sempre oferecidos pelo Serasa Limpa Nome, maior plataforma de renegociação de dívidas do país.

Leia Também:  Governador Wanderlei Barbosa vistoria obras do Hospital Regional de Augustinópolis

A ação surgiu depois de a Serasa realizar uma pesquisa que ouviu 2.645 endividados de todo o país. O levantamento mostrou que descontos e parcelamentos sem juros são os maiores motivadores para o consumidor quitar suas dívidas. “É a maior ação de negociação com parcelamento sem juros já realizada no Brasil”, diz Ignacio Dameno, diretor do Serasa Limpa Nome.

Para Aline Maciel, gerente do Serasa Limpa Nome, essa é uma solução buscada pelas empresas para que os brasileiros endividados possam recuperar o poder de compra sem impactar a renda mensal. “Quando um inadimplente renegocia o débito, a dívida sai do seu nome logo após pagar a primeira parcela, o que o auxilia a retomar crédito”, explica Aline. “A ação foi a maneira que as empresas envolvidas encontraram para conter a alta da inadimplência”, complementa.

Empresas participantes: Claro; Ativos; Atlântico; Banco BMG; Banco Digio; Banco Digio; Banco Inter; Banco Losango; Banco Neon; Boticário; Bradescard; Bradesco; Bradesco Financiamentos; BTG +; Carrefour; Crediativos; Credsystem; Digio; DmCard; Eudora; FortBrasil; Grupo Tracker; Havan; Hoepers; Intacto; Ipanema; Itapeva; Itau; MGW Ativos; Money Plus; Multi Crédito; Nalin; Net; Nextel; Recovery; Renner; Riachuelo; Santander; Sascar; Sicoob; Sorocred; Uze; Via Varejo; VoxCred; Zema.

Leia Também:  Tocantins participa da reeleição de Flávio Dino para consórcio

A Serasa reforça que as ofertas disponíveis na Ação de Parcelamento não aplicam juros sobre o acordo de parcelamento, mas a dívida negociada pode conter os juros de atraso do pagamento.  As negociações pelas agências dos Correios que oferecem as condições e os descontos especiais da campanha podem ser realizas mediante o pagamento de uma taxa de R$3,60.

O consumidor pode conferir se tem parcelas sem juros disponíveis por meio dos canais oficiais da Serasa: site serasalimpanome.com.br; App Serasa no Google Play e App Store; ligação gratuita 0800 591 1222; e WhatsApp 11 99575–2096.

Sobre a Serasa
Com o propósito de revolucionar o acesso ao crédito no Brasil, a Serasa oferece um ecossistema completo voltado para a melhoria da saúde financeira da população com produtos e serviços digitais.

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA

POLÍCIA

MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA