PALMAS

Novo Cangaço

Suspeito de integrar “Novo Cangaço” morre em confronto com policiais em Peixe

Publicado em

Uma ação conjunta realizada pela Polícia Civil do Tocantins (PC-TO) e pela Polícia Militar, na manhã desta quinta-feira, 23, na zona rural do município de Peixe, resultou na apreensão de várias armas de fogo e também de materiais explosivos que estavam de posse de um indivíduo de alta periculosidade, suspeito de integrar quadrilhas de roubo a bancos e que atuava em vários estados do Brasil, incluindo o Tocantins.

A ação policial foi deflagrada depois que as equipes da 8ª Divisão de Combate ao Crime Organizado (8ª DEIC) de Gurupi e do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) receberam informações repassadas pelo setor de inteligência da Polícia Militar de Goiás de que um homem, de 49 anos, conhecido nacionalmente por envolvimento em diversos roubos a banco nos estados da Bahia, Goiás, Pará e Tocantins, na modalidade conhecida como “novo cangaço”, estaria na zona rural de Peixe de posse de armas de fogo e outros instrumentos utilizados na referida prática criminosa.

Conforme o delegado-chefe da 8ª DEIC, Rafael Falcão, após vários dias de intensas buscas e diligências, que contaram com o apoio do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) de Gurupi, os policiais descobriram que Cocheba, como o indivíduo era conhecido, utilizava um rancho na zona rural de Peixe, onde se abrigava e guardava as armas de fogo.

Leia Também:  Associação busca apoio político para tentar emancipar Luzimangues

Com a informação, os policiais intensificaram as buscas e hoje, no momento em que o indivíduo se deslocava em um veículo VW Crossfox, foi abordado nas imediações pelas equipes da 8ª DEIC e do BOPE. Porém, o suspeito não acatou a ordem de parada e reagiu violentamente à ordem policial efetuando disparos de arma de fogo em direção aos policiais. Durante a troca de tiros, o indivíduo foi atingido e imediatamente socorrido ao Hospital de Peixe, no entanto, não resistiu ao ferimento e foi a óbito.

De posse do investigado, os policiais encontraram um fuzil calibre 7,62,  uma pistola calibre .40, vinte e seis munições calibre 7,62, doze munições calibre .40, e um explosivo do tipo emulsão encartuchada envolvida em cordel detonante.

A perícia foi acionada para a realização dos trabalhos pertinentes no local dos fatos e o material ilícito foi encaminhado para a Central de Flagrantes da Polícia Civil em Gurupi, onde foram realizadas as providências legais cabíveis.

O Comandante do BOPE, Tenente-Coronel PM Fioravan Teixeira Silveira, que encaminhou as equipes em apoio à PC, ressalta que o indivíduo era conhecido pela facilidade de organizar assaltos a bancos, no entanto, já vinha sendo monitorado pela Segurança Pública.

Leia Também:  Assembleia Legislativa admite processo de impeachment contra Mauro Carlesse

Histórico de crimes violentos

Em 2013, o investigado foi preso na Bahia, juntamente com outros três indivíduos, de posse de um fuzil Barret .50 e quatro fuzis calibres 7,62 e 5,56 após praticarem pelo menos cinco roubos a banco no sertão baiano. Posteriormente esteve envolvido em outros  crimes de roubos à instituições financeiras nos estados de Goiás, Pará e Tocantins, sendo preso duas vezes em Gurupi nos anos de 2017 e 2018, por mandados de prisão decorrentes de roubos e, também em flagrante por posse ilegal de arma de fogo e uso de documento falso.

Revisão Textual: Vania Machado

A ação policial foi deflagrada depois que as equipes da 8ª DEIC de Gurupi e do BOPE receberam informações repassadas pelo setor de inteligência da Polícia Militar de Goiás – file_download

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

POLÍCIA

Polícia Civil deflagra operação Absterge e desarticula organização criminosa que atuava no Tocantins e no Maranhão

Published

on

A Operação Absterge, que faz menção a limpeza ou purificação

Na manhã desta segunda-feira, 15, a Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), com apoio da Polícia Militar, Polícia Penal, Ministério Público Estadual do Tocantins e o Centro Tático Aéreo do Maranhão, deflagrou a Operação Absterge com o objetivo de desarticular uma facção criminosa do Maranhão que tentava se instalar em Augustinópolis e vinha cometendo crimes, entre eles, quatro homicídios, tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Aproximadamente 100 policiais participaram da ação que visou cumprir um total de 43 mandados de prisão preventiva, prisão temporária e busca e apreensão nas cidades de Augustinópolis (TO), João Lisboa e São Luís, ambas no Maranhão. Os alvos já vinham sendo monitorados pela Polícia Civil há cerca de dois meses.

O delegado titular da 12ª Delegacia de Polícia Civil em Augustinópolis e coordenador da operação, Jacson Wutke, explicou que além do cumprimento de mandados, a Operação teve o objetivo de impedir que a facção criminosa do Maranhão se instalasse no município tocantinense.

Leia Também:  Governador inaugura Núcleo de Identificação e anuncia asfaltamento entre povoados

“Hoje nosso principal objetivo é desarticular uma organização criminosa que buscava se enraizar aqui no município de Augustinópolis. Basicamente uma atuação voltada para o tráfico de drogas e homicídios. Até o momento 21 pessoas foram presas, eram 23 mandados de prisão, tivemos dois evadidos e um que acabou indo a óbito em razão de confronto com a polícia. Mas de um modo geral foi uma operação exitosa, tivemos grande apreensão de drogas e armas de fogo e outros objetos que vão ajudar a elucidar os crimes investigados pela Polícia Civil”, destacou o delegado.

Prisões

Do total de mandados, 23 eram de prisões, dos quais 21 foram cumpridos já que dois dos alvos conseguiram fugir antes da chegada da polícia.

Do total de presos, sete eram mulheres que estavam sendo investigadas por associação criminosa e tráfico de drogas.

Um menor de 16 anos também foi apreendido, apontado como integrante de facção criminosa. O adolescente tem longa ficha criminal envolvendo crimes como homicídio e ocultação de cadáver.

Leia Também:  Menino de 5 anos convida policiais militares para o seu aniversário

Tanto as mulheres como o adolescente foram encaminhados para a Central de Flagrantes em Araguatins para depois serem reconduzidos para as Unidades Prisionais.

Já os homens presos nesta operação foram conduzidos diretamente para o presídio de Augustinópolis.

A Operação Absterge, que faz menção a limpeza ou purificação, também acontece dentro do Presídio de Augustinópolis, no qual será realizada uma revista nas celas.

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA

POLÍCIA

MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA