PALMAS

POLÍCIA

Operação da PF desarticula quadrilha que fraudava INSS

O objetivo da operação é desarticular grupo criminoso especializado na prática de fraudes contra o INSS.

Publicado em

A Polícia Federal em conjunto com área de fiscalização da Previdência Social deflagrou nesta manhã, do dia 23, a operação Famulus. Foram realizados quatro mandados de busca e apreensão e quatro mandados de condução coercitiva nas cidades tocantinenses de Gurupi, Formoso do Araguaia, Palmeirópolis e Figueirópolis.

 

O objetivo é desarticular grupo criminoso especializado na prática de fraudes contra o INSS. Uma advogada, sua mãe, um funcionário de um dos escritórios e um beneficiário foram conduzidos coercitivamente para prestarem esclarecimentos. O nome escolhido para a operação é referente à origem da palavra Famulus significa “escravo doméstico” em Latim.

 

De acordo com a investigação, pessoas entregavam seus documentos pessoais no escritório de uma advogada que alterava os campos relativos ao status social do requerente. E os acusados realizavam entrada no INSS sem documentos básicos completos, com o intuito de serem indeferidos pela justiça.

Até o momento os vinte e seis procedimentos investigados já causaram prejuízo ao INSS de cerca de 412 mil reais.  Com a Operação Famulus, evitou-se o desfalque aos cofres públicos do valor R$ 3,2 milhões, calculados com base na expectativa de vida dos beneficiários e nos valores concedidos indevidamente.

Leia Também:  PM Ambiental apreende arma de fogo e material de pesca predatória em Araguatins

Segundo a Polícia Federal os investigados poderão ser indiciados pelos crimes de estelionato previdenciário, cuja pena é de um a cinco anos, podendo ser aumentada de 1/3, sem prejuízo de outros crimes que vierem a ser comprovados no decorrer da análise das provas apreendidas durante a operação.

COMENTE ABAIXO:
Advertisement

POLÍCIA

Polícia Civil deflagra operação Absterge e desarticula organização criminosa que atuava no Tocantins e no Maranhão

Published

on

A Operação Absterge, que faz menção a limpeza ou purificação

Na manhã desta segunda-feira, 15, a Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), com apoio da Polícia Militar, Polícia Penal, Ministério Público Estadual do Tocantins e o Centro Tático Aéreo do Maranhão, deflagrou a Operação Absterge com o objetivo de desarticular uma facção criminosa do Maranhão que tentava se instalar em Augustinópolis e vinha cometendo crimes, entre eles, quatro homicídios, tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Aproximadamente 100 policiais participaram da ação que visou cumprir um total de 43 mandados de prisão preventiva, prisão temporária e busca e apreensão nas cidades de Augustinópolis (TO), João Lisboa e São Luís, ambas no Maranhão. Os alvos já vinham sendo monitorados pela Polícia Civil há cerca de dois meses.

O delegado titular da 12ª Delegacia de Polícia Civil em Augustinópolis e coordenador da operação, Jacson Wutke, explicou que além do cumprimento de mandados, a Operação teve o objetivo de impedir que a facção criminosa do Maranhão se instalasse no município tocantinense.

Leia Também:  Empresário preso pela PF seria operador de propinas no Plansaúde

“Hoje nosso principal objetivo é desarticular uma organização criminosa que buscava se enraizar aqui no município de Augustinópolis. Basicamente uma atuação voltada para o tráfico de drogas e homicídios. Até o momento 21 pessoas foram presas, eram 23 mandados de prisão, tivemos dois evadidos e um que acabou indo a óbito em razão de confronto com a polícia. Mas de um modo geral foi uma operação exitosa, tivemos grande apreensão de drogas e armas de fogo e outros objetos que vão ajudar a elucidar os crimes investigados pela Polícia Civil”, destacou o delegado.

Prisões

Do total de mandados, 23 eram de prisões, dos quais 21 foram cumpridos já que dois dos alvos conseguiram fugir antes da chegada da polícia.

Do total de presos, sete eram mulheres que estavam sendo investigadas por associação criminosa e tráfico de drogas.

Um menor de 16 anos também foi apreendido, apontado como integrante de facção criminosa. O adolescente tem longa ficha criminal envolvendo crimes como homicídio e ocultação de cadáver.

Leia Também:  MPE obtêm condenação de homem acusado de encomendar a morte da sogra em Colinas

Tanto as mulheres como o adolescente foram encaminhados para a Central de Flagrantes em Araguatins para depois serem reconduzidos para as Unidades Prisionais.

Já os homens presos nesta operação foram conduzidos diretamente para o presídio de Augustinópolis.

A Operação Absterge, que faz menção a limpeza ou purificação, também acontece dentro do Presídio de Augustinópolis, no qual será realizada uma revista nas celas.

COMENTE ABAIXO:
Continue Reading

CIDADES

POLÍTICA

POLÍCIA

MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA