PALMAS

Investigação

PMs e batalhões são alvos em investigação de chacina que deixou 6 mortos em Miracema

Publicado em

POLÍCIA

A Polícia Civil cumpre mandados contra policiais militares na manhã desta segunda-feira (13) em uma operação que investiga uma chacina que aconteceu há mais de quatro meses em Miracema do Tocantins. Na época, sete pessoas foram assassinadas em um curto intervalo de tempo. Seis mortes ocorreram após o policial Anamon Rodrigues de Sousa ser assassinado. Duas vítimas foram executadas dentro de uma delegacia.

São 25 mandados de busca e apreensão sendo cumpridos nas cidades de Palmas, Lajeado e Miracema. Os alvos são policiais militares e também as sedes de batalhões da PM em Miracema e em Palmas. Agentes estiveram também no Quartel do Comando Geral da PM, na capital. A operação foi chamada de Azazel.

Por telefone, o comandante geral da Polícia Militar coronel Silva Neto informou que está acompanhando a finalização da operação juntamente com a corregedoria da PM. Disse ainda que a corporação está à disposição da Justiça para colaborar com o esclarecimento dos fatos.

A Polícia Civil informou, em nota, ainda que toda investigação e operação está sendo acompanhada pelo Ministério Público do Estado do Tocantins, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Leia Também:  Diego & Victor Hugo e Joan Alessandro são atrações musicais deste sábado na Expoara

A operação recebeu o nome de Azazel, anjo caído que está relacionado ao pecado da ira e seria encarregado da tarefa de levantar as faltas humanas e as enumerar perante o tribunal divino.

A sequência de seis assassinatos na cidade ocorreu após Anamon morrer durante confronto com criminosos. Depois do crime, Valbiano Marinho da Silva, de 39 anos, suspeito de matar o policial, e outras cinco pessoas foram mortas a tiros.

O pai e irmão do suspeito da morte do militar estão entre as vítimas. Eles foram mortos dentro da delegacia da Polícia Civil de Miracema. As vítimas estavam na unidade para prestar depoimento e foram baleados por homens encapuzados e armados que invadiram o local.

Para chegar até as vítimas os criminosos renderam agentes da Polícia Civil. Manoel Soares da Silva, de 67 anos, e o filho dele, Edson Marinho da Silva de 37 anos, foram executados com incontáveis tiros. Na época, o delegado-geral da Polícia Civil Claudemir Ferreira afirmou não haver indícios do envolvimento das vítimas na morte do PM.

Leia Também:  Imposto de renda pode ser doada a instituições de caridade

Logo depois, outras quatro pessoas foram baleadas na cidade. Três delas morreram e um jovem de 18 anos ficou ferido. Os corpos foram encontrados em 5 de fevereiro. As vítimas não tinham passagem pela polícia por nenhum crime.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA

Assessoria da Polícia Militar que atua junto à Assembleia Legislativa do Tocantins, realiza 1° “Arraiá Sem Alteração”

Publicados

em

O “Arraiá Sem Alteração”, a primeira festa junina organizada pela Assessoria da  Polícia Militar que atua junto à Assembleia Legislativa do Tocantins, acontece nesta sexta-feira, 24 e deve reunir, além dos militares que exercem suas funções junto à Casa de Leis, o Comandante-Geral da Polícia Militar, coronel Julio Manoel da Silva Neto,  diversas autoridades do Legislativo, Executivo e membros da comunidade Palmense.

O evento tem por objetivo, homenagear a cultura popular brasileira, através da junção de elementos culturais da região norte e nordeste, principalmente. Além disso, será uma oportunidade de reunir os servidores em um momento de interação e descontração.

Segundo o Chefe da AAL – Tenente-Coronel QOPM Wellder Messias Cavalcante, o evento é uma oportunidade de fortalecer laços de amizade.

“Este é o momento de se oportunizar aos militares e seus familiares momentos de interação, fortalecendo os laços de amizade e fomentando a tão indispensável camaradagem entre aqueles que atuam na proteção da sociedade, e para isso, nada melhor que uma data em que tradicionalmente, rende-se homenagem à cultura popular, especialmente ao homem sertanejo que tanto contribuiu para a construção do Tocantins”, Disse.

Leia Também:  A Lei Maria da Penha e a saúde feminina no Agosto Lilás

Edição: Andressa Santos

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

POLÍCIA

MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA