Greve: Sindicatos reforçam proposta e nova reunião é marcada para dia 19

No final da tarde desta quarta-feira, 14, os Sindicatos que integram o MUSME-TO tiveram sua primeira rodada de negociação com o Comitê Gestor do Governo do Tocantins.

No final da tarde desta quarta-feira, 14 de setembro, os Sindicatos que integram o Movimento de União dos Servidores Públicos Civis e Militares do Tocantins (MUSME-TO) tiveram sua primeira rodada de negociação com o Comitê Gestor do Governo do Tocantins. A reunião é um encaminhamento tirado da Audiência Pública ocorrida na manhã desta quarta, na Assembleia Legislativa e marca o início do diálogo entre o Governo e os Sindicatos que representam os servidores públicos estaduais em greve geral desde o dia 09 de agosto.

De acordo com os presidentes, a conversa desta noite foi o primeiro passo na abertura da negociação. “A negociação estava fechada e após 37 dias de greve, o Governo finalmente nos recebeu. Então, tendo em vista esse cenário, a gente já esperava que esse primeiro momento fosse mais de pontuações. Reafirmamos a proposta do MUSME-TO, inclusive reforçando quais medidas precisam ser adotadas com mais urgência para garantir o pagamento da data-base”, relataram os presidentes.

Além da implantação da jornada de 06 horas, redução em 50% do número de contratos temporários e cargos comissionados, os Sindicatos também solicitaram a adoção de outras medidas que vão gerar economia aos cofres públicos. “O Governo recebeu bem as nossas pontuações e sugestões. Então, acreditamos que estamos mais próximos de chegar a um entendimento que atenda aos anseios dos grevistas”, contaram.

A próxima rodada de negociação acontecerá no dia 19, próxima segunda-feira, quando o Governo, após analisar os pontos destacados pelos Sindicatos, pretende apresentar as medidas que serão adotadas e uma resposta à proposta do MUSME-TO.

PROPOSTA

Protocolada no dia 30 de agosto, por meio do Ofício nº 028/2016 endereçado ao Governador Marcelo Miranda, a proposta do MUSME-TO para o pagamento da data-base é a seguinte: 1) implantar o índice de 9,8307% referente à data-base 2016 – do piso ao teto, de forma integral e na folha de pagamento de setembro de 2016; 2) Pagar os retroativos da data-base 2015, em 04 parcelas mensais e iguais, com inclusão na folha de pagamento de setembro de 2016 até a folha de dezembro de 2016; 3) Pagar os retroativos da data-base 2016, em 04 parcelas mensais e iguais, com inclusão na folha de pagamento de janeiro de 2017 até a folha de abril de 2017.

FAÇA SEU COMENTÁRIO