Governo Federal entrega de mais 11 áreas aquícolas no encerramento da Agrotins 2021

O governador Mauro Carlesse relembrou que no Tocantins não era permitido produzir tilápia e que ainda era deputado quando lutou por essa cadeia produtiva no Estado - Foto: Wilson Rodrigues/Governo do Tocantins

A Feira Agrotecnológica do Tocantins - Agrotins 2021 100% Digital encerrou sua programação científica nesta sexta-feira, 18, com o painel sobre Perspectivas da Criação de Peixes no Tocantins. Na ocasião, a Secretaria de Patrimônio da União (SPU) assinou o Termo de Entrega de 11 áreas aquícolas para criação de tilápia no Estado, com potencial de produzir 50 mil toneladas de peixes. (continua abaixo)

O painel, mediado pelo secretário da Agricultura, Pecuária e Aquicultura (Seagro), Jaime Café, foi prestigiado pelo governador do Tocantins, Mauro Carlesse. O Chefe do Executivo Estadual relembrou que no Tocantins não era permitido produzir tilápia e que ainda era deputado quando lutou por essa cadeia produtiva no Estado.

“O que nós queremos é que essas pessoas tenham oportunidades. Foram liberados 50 mil em potencial de produção, e tenho certeza de que esses produtores vão produzir na mesma quantidade. Isso vai trazer para nosso Estado uma alegria muito grande, porque quando você tem trabalho, tem renda. Estou trabalhando nesse sentido, para que as pessoas dependam menos do poder público, e que possam viver com qualidade de vida e dignidade. Vamos conseguir cada vez mais trazer projetos para Tocantins que traga emprego e alavanque o crescimento do Estado”, afirmou o Governador.

O presidente executivo da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe-BR), Francisco das Chagas Medeiros, destacou que o Tocantins tem potencial grande com mais de 290 mil toneladas de capacidade de produção de peixe. “O Estado fica em uma localização geográfica privilegiada, no centro do Brasil, o que é importante para qualquer empresa que queira investir no setor. Outra coisa, tem insumos, ração, indústrias de ração. Sem falar nas ótimas condições climáticas que também são importantes”, pontuou.

A chefe da Embrapa Pesca e Aquicultura, Danielle de Bem Luiz, destacou que o Tocantins ainda tem muito que avançar na produção do pescado. “Comparo muito com as outras cadeias de proteínas como frango, carne vermelha, carne suína. Ainda temos muito caminho para percorrer. Os preços têm que cair muito ainda, e tornar o peixe mais competitivo para termos essa proteína em maior quantidade na mesa brasileira”, disse.

“Temos que aumentar a produção no Tocantins e no Brasil. Pegar os modelos adotados nessas outras proteínas e trazer este conhecimento em sanidade e processamento para a piscicultura e aquicultura”, complementou a chefe da Embrapa.

Novas áreas

O superintendente da Secretaria de Patrimônio da União (SPU), Lúcio Silva Alfenas, que aproveitou o painel para anunciar a assinatura do Termo de Entrega de 11 áreas aquícolas para produção de tilápia no Estado, enfatizou a rentabilidade do projeto. “Estas áreas têm o potencial de 50 mil toneladas de peixe, representando uma rentabilidade, um potencial de aproximadamente R$ 450 milhões. As áreas valem mais de R$ 2 milhões, em todo esse espelho d’água”, frisou.

O superintendente explicou sobre o programa SPU+, que foi instituído para apresentar o potencial de ativo imobiliário que existe no Brasil. “Esse é um dos processos que será replicado em diversas regiões do país. A piscicultura tem sido cada vez mais fomentada”, afirmou.

Ministério da Agricultura

O secretário de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Jorge Seif Junior, reforçou o potencial do Tocantins. “O Tocantins é duplamente abençoado porque tem uma temperatura adequada, um clima tropical. O peixe se desenvolve bem dentro deste espaço natural que o Estado proporciona e tem o potencial de produzir 220 mil toneladas anualmente”, ressaltou.

Sobre a entrega das 11 áreas aquícolas, Jorge Seif destacou a celeridade da SPU na análise do processo. “O processo foi analisado com celeridade e competência. É um momento de comemorarmos mais essas 50 mil toneladas que o Estado do Tocantins vai produzir para o Brasil. O que é muito bom porque o brasileiro gosta de peixe, quer consumir mais pescado e o que faltavam eram políticas públicas que incentivassem os nossos produtores para essa atividade que só tem crescido, numa taxa de 5% ou mais ao ano”, acrescentou, adiantado que em breve pretende vir ao Tocantins para fazer a entrega presencial após cumprir todos os trâmites necessários para a formalização da cessão dessas 11 áreas.

A Agrotins 2021 100% Digital contou com mais de 32 horas de programação, alcançada por mais de 3,5 milhões de pessoas nas redes sociais, assistida em mais de mil cidades brasileiras e vista em cinco continentes.

FAÇA SEU COMENTÁRIO