Servidores fantasmas de Valdemar devolviam salário recebido ilegalmente

Delegado afirma que quantidade de denúncias é imensurável e cinco inquéritos já foram instaurados para investigar outros gabinetes

O delegado da Polícia Civil, Cassiano Ribeiro Oyama, afirmou na tarde desta quarta-feira, 19, que as investigações sobre servidores fantasmas lotados no gabinete do deputado estadual Valdemar Júnior (MDB) revelaram que quase todo salário era devolvido para outros assessores do deputado.

Segundo Oyama os três assessores presos na manhã desta quarta-feira, 19, inclusive o chefe de gabinete do deputado, estavam atrapalhando as investigações ao tentar coagir as testemunhas. “Temos registros de ameaças e tentativas de atrapalhar as investigações feitas pelos servidores presos hoje preventivamente”.

O prazo para conclusão do inquérito é de dez dias, podendo ser prorrogado, já quanto aos detidos não existe prazo para que eles sejam soltos. Foram presos o chefe de gabinete Dional Vieira de Sena e os assessores Dorismar José Benedito Júnior e Luciele Roquete Araujo. A previsão é que eles sejam encaminhados à Casa de Prisão Provisória de Palmas ainda na tarde desta quarta-feira, 19.

Oyama disse ainda que existem ao menos mais cinco inquéritos, sendo que um investiga mais de um gabinete de deputado e outro investiga o gabinete da presidência. O delegado, no entanto, não disse se a investigação diz respeito à atual gestão da AL ou à gestões anteriores. “Estamos recebendo um número tão grande de denúncias que é até difícil mensurar. Algumas são de pessoas honestas que estão revoltadas com os servidores fantasmas, outras são de pessoas que participaram do esquema, mas se arrependeram. Tudo será apurado”, afirmou.

Represália

Questionado sobre a possibilidade de sofrer represálias o delegado disse que a lei não permite que os delegados sejam trocados de postos, o que oferece tranquilidade para a condução e conclusão das investigações.

FAÇA SEU COMENTÁRIO