Tocantins será inserido no programa Monitor de Secas

Agência Nacional de Águas (ANA) realizou uma oficina de capacitação para servidores do estado

Servidores da Agência Nacional de Águas (ANA) estiveram em Palmas  para ministrar uma oficina sobre o projeto Monitor de Secas. O encontro aconteceu nos dias 20 e 21, na Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), com objetivo de capacitar servidores para adesão do Tocantins no programa.

O Monitor de Secas é um projeto que auxilia os estados através da elaboração de um mapa que identifica onde se concentram as áreas de estiagem mais críticas, fornecendo um diagnóstico preciso sobre a real situação de cada cidade. Todos os meses as informações são publicadas no site da ANA, sendo possível a verificação da situação do último mês. Através desse projeto é possível analisar o nível de estiagem dos estados que já estão incluídos nele.

O projeto está em atividade desde 2014 e começou atuando na Região Nordeste, desde então vem se consolidando e expandindo sua abrangência. Hoje o programa está presente em 11 estados, sendo Minas Gerais e Espírito Santo na Região Sudeste e os  outros nove da Região Nordeste. O Tocantins será o primeiro estado da Região Norte a ser incluído no projeto e já existe uma articulação para a integração do Rio de Janeiro e de Goiás.

O diretor de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos da Semarh, Aldo Azevedo, destacou a importância da inclusão do estado no Monitor de Secas. “É um programa oficial que auxilia na execução de algumas ações emergenciais. Esse instrumento vai facilitar a elaboração de políticas públicas por parte do governo e também para fazer um planejamento a longo prazo das políticas públicas preventivas”, afirmou.

O monitoramento que já acontece na Região Nordeste há cinco anos serve como modelo a ser adotado por outras regiões do Brasil que estão aderindo ao programa, facilitando a elaboração de um acompanhamento uniforme por todo o país. A ANA sugeriu a inclusão do estado pela proximidade geográfica com a região nordeste, que apresenta índices elevados de seca.

Cronograma

Para execução do projeto é necessária a atuação conjunta de dois atores: o observador e o validador. O observador é quem está no campo fazendo a análise dos impactos locais e de como a estiagem afeta os municípios e regiões no interior do estado. A Semarh tem a opção de iniciar a mobilização dos parceiros para rede de observadores.

O validador é um ponto focal no estado e deve estar ligado à Semarh e/ou a Defesa Civil Estadual. Ele terá os subsídios que os observadores vão coletar nas regiões. Segundo a especialista de recursos hídricos da ANA, Priscila Monteiro, os validadores vão analisar as informações e ter condições de concordar ou não com o mapa que está sendo proposto. “Tem uma equipe de parceiros que após avaliar os diversos indicadores de estiagem podem fazer o primeiro traçado do mapa e o estado vai confirmar se está ocorrendo realmente o quadro de estiagem”, disse.

Nos dia 15 e 16 de novembro a equipe retorna à Palmas para ministrar o treinamento de validação. Esse treinamento é mais uma etapa do programa e serve como  preparatório para que o estado possa assumir o papel de validador do Tocantins. No treinamento será apresentado como fazer o tratamento das informações e inserir os participantes na rotina operacional do Monitor de Secas, capacitando os técnicos e dando subsídios para que seja feita a validação do mapa do estado.

FAÇA SEU COMENTÁRIO